Como viver de acordo com as leis do universo


São muitos os cientistas, filósofos e religiosos que já estudaram as leis físicas do Universo. Para vivermos em harmonia com este campo de possibilidades imensuráveis, vale a pena conhecermos as três leis básicas da natureza da energia: a força que permeia o universo! 

A primeira lei diz que tudo vibra. Portanto, tudo é pura vibração e está em constante transformação. A ciência moderna vem corroborando idéias postuladas e apresentadas pelos budistas há muito tempo. O budismo diz que mente e matéria são altamente interdependentes, a física quântica postula que a energia apresenta uma propriedade fundamental: jamais se esgota. Isto é, a energia não se extingue, transforma-se em uma outra forma de energia. 

Por vibrar em diversas velocidades, os nossos sentidos captam a aparência da energia de formas diversas. Quando mais lenta for a vibração energética, mais sólida será sua aparência. 

Einstein é um exemplo do que estamos falando. A equação E = mc² (a energia é igual à massa vezes o quadrado da velocidade da luz) nos diz que a matéria se converte em energia a partir de um fator c, que é a velocidade da luz. Ou seja, há uma equivalência entre massa e energia, elas podem transformar-se uma na outra, sendo que a densidade da massa - mais ou menos sutil - está relacionada com a velocidade de deslocamento. 

Matéria é energia condensada. A energia pode se apresentar em diferentes estados de condensação, dependendo do quanto as partículas ou moléculas estão concentradas. Assim, quando temos um estado energético em que as moléculas estão muito coesas, temos uma matéria mais densa ou cristalizada, como no nosso corpo físico. Quando as moléculas de energia estão menos coesas, temos o corpo sutil. Por exemplo, uma pedra possui uma vibração bem mais lenta que o perfume de uma flor, que por sua vez é mais lento que um pensamento! 

A segunda lei afirma: porque tudo vibra é preciso fluir; e para tanto, é preciso estar num ligeiro estado de desequilíbrio. Esta lei vale tanto para a água quanto para a nossa vida. 

A terceira lei ressalta: a energia de determinada qualidade ou vibração atrai uma outra qualidade ou vibração do mesmo tipo. Isto quer dizer, a energia move-se de forma circular: tudo aquilo que emanamos retorna para nós mesmos. 

O conhecimento destas três leis nos alerta para o fato de que cada um de nós possui um diapasão interior que está em constante ressonância com os outros. Para que esta ressonância seja harmoniosa, é preciso que saibamos aplicar estas três leis em nossa vida cotidiana. 

No entanto, sabemos quão trabalhoso é manter a vida positiva. Por exemplo, como aplicar estas leis quando estamos preocupados? 

Primeiro, vamos fechar os olhos e respirar profundamente algumas vezes. Agora, com toda sinceridade, devemos responder para nós mesmos: Com que freqüência tenho sido tomado pela energia da preocupação? É importante nos questionarmos desta forma, pois na maioria das vezes não estamos conscientes do hábito de nos preocuparmos. 

A preocupação é uma espécie de estresse auto-aplicado. Sua energia é densa e pesada. Torna nossos pensamentos fixos, paralisados, e seu retorno é constante, surge como pensamentos obsessivos e mais preocupações. 

A preocupação é um peso extra do qual precisamos aprender a nos soltar. Ao aplicar a primeira lei, iremos lembrar que nada é definitivo! Até mesmo a morte é apenas mais um ponto de passagem para outro ciclo. 

No entanto, não vamos nos aprofundar na morte como exemplo, pois este não é o momento de intensificarmos nossas percepções! Afinal, para aplicarmos a segunda lei, isto é, para fazer com que a energia parada da preocupação volte a fluir, todo drama deve ser evitado. É hora de simplificar. 

Quando nos vemos paralisados diante das transformações, vale a pena lançarmos mão do conceito taoista Wu Wei: o caminho da tranqüilidade, conhecido como fazer sem agir

Wu Wei não significa exatamente o não-fazer, mas o não se opor à corrente da vida, evitando esforços e preocupações desnecessários. Assim como diz o ditado popular: O que resiste persiste! 

Este conceito foi apresentado por Lao Tsé em seu livro clássico Tao Te King no século 6 a.C. e até hoje é altamente aplicável, pois respeita as leis da energia. 

Ele parte do princípio que o mundo é uma teia imensa, na qual infinitos fatores diferentes interagem contínua e constantemente. Portanto, se nos mantivermos calmos, iremos emanar calma, e, como revela a terceira lei, a energia da mesma qualidade emanada irá retornar. Fazer sem agir é cultivar a energia com a qual queremos lidar e deixar sua natureza se manifestar. 

É a prática de ir contra a corrente sem resistir, sem lutar contra ela, mas mantendo-nos calmos e deixando a corrente fazer todo o trabalho.

Para o ritmo frenético da vida na cidade, esta teoria surge como loucura ou até mesmo irresponsabilidade. No entanto, o controle excessivo com que tentamos levar a vida contradiz a segunda lei da energia, que nos lembra que é necessário certo desequilíbrio para a energia fluir. 

Por pouco que aplicarmos o princípio Wu Wei, veremos que algo diferente e positivo acontece. Neste sentido, o maior trabalho ocorre dentro de nós e pode levar a vida toda para amadurecer. Pois é por meio da aceitação profunda da natureza impermanente da vida que encontraremos paz para emanar e atrair calma e serenidade ao nosso redor. Se até o momento de nossa morte tivermos cultivado este estado Wu Wei, aí sim, não teremos mais nada com que nos preocuparmos...

Bel Cesar é psicóloga e pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano. 
Share on Google Plus

Sobre Dica Certa

A Consciência do dever cumprido, infunde em nossa alma uma doce ALEGRIA.